Dica Duca – Os Vingadores

…a vingança é nossa…

Os Vingadores. Os autointitulados Heróis Mais Poderosos da Terra. Reunidos, finalmente, após 2 filmes do Homem de Ferro, 1 filme do Hulk (o reboot, com Edward Norton), 1 do Thor, 1 do Capitão América e várias cenas pós-créditos que construíram os pilares para essa aventura. Expectativas mil. O resultado? Bem, primeiro vamos falar sobre o que o filme NÃO é.

  • Os Vingadores NÃO é um filme do Homem de Ferro com coadjuvantes de luxo.
  • Scarlett Johansson NÃO faz apenas figuração.
  • O filme NÃO é um caça-níqueis cujo único objetivo é juntar o máximo de personagens pra lucrar com merchandising.
  • Robert Downey Jr. NÃO rouba todas as cenas (esse papel cabe ao Hulk de Mark Ruffalo!).
  • Falando em Hulk, NÃO há desconforto com o personagem sendo interpretado pelo 3º ator em 3 filmes.
  • Os Vingadores NÃO é só ação e pancadaria desenfreada.
  • Joss Whedon NÃO é apenas um diretor de séries pra TV. E Jon Favreau NÃO fez falta na direção (embora permaneça na produção executiva).
  • O Capitão América, mais uma vez, NÃO é um escoteirão chato.
  • Os Vingadores NÃO é um filme apressado, com uma dezena de personagens se sobrepondo, sem desenvolvimento e sem tempo de tela suficiente.
  • NÃO é um filme dos Supremos, nem dos Vingadores Clássicos, muito menos dos Novos Vingadores.
  • Por fim, Os Vingadores definitivamente NÃO é apenas mais um blockbuster americano.

E o que é Os Vingadores? Simplesmente. O. Melhor. Filme. De. Super-heróis. Já. Feito.

(desculpa aí, Superman do Richard Donner)

porque é bom

É um novo paradigma a ser seguido, e os méritos são todos de Joss Whedon. Mais do que a direção (bastante convencional, com um truque ou outro na manga), é seu roteiro e, principalmente, seus diálogos e a caracterização dos personagens que elevam o filme a um novo patamar.

Não que a história seja especialmente inventiva. Ou tenha uma estrutura que abuse da criatividade. Mas o seu desenrolar é o grande destaque. Whedon sabe trabalhar com equipes grandes, sem destacar e sem subaproveitar ninguém, como já havia provado em sua excelente passagem pelo gibi Os Surpreendentes X-men. Todo mundo tem seu motivo, sua razão para estar ali, e seu espaço. De modo que o filme termina sem ter um personagem favorito: todos brilham com igual intensidade.

Capitão América (Chris Evans), líder e inspiração, mais com sua ética do que com sua força e habilidade. Homem de Ferro (Robert Downey Jr.), o gênio inquieto cujo ego monstruoso oculta seu bom coração. Thor (Chris Hemsworth), o deus mais humano que você já viu. Bruce Banner (Mark Ruffalo), o cientista brilhante e contido, que guarda a fúria do Hulk em seu interior. Viúva Negra (Scarlett Johansson), a gatíssima e letal espiã russa, cujo principal poder é a esperteza. Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), o segundo agente mais fodão da S.H.I.E.L.D., com sua mira perfeita e seu jeitão cool. Nick Fury (Samuel L. Jackson), o diretor e agente mais fodão da S.H.I.E.L.D. Esse é o time principal. Uma miríade de personalidades fortes, com (super)egos colossais sempre em choque, difícil de imaginar atuando com sinergia. Mais ou menos como os times galácticos de futebol, em que a contratação de medalhões vindos de culturas diferentes acaba naufragando nos campeonatos devido à soberba ou à autossabotagem gerada por conflitos internos.

Coadjuvando, temos Maria Hill (Cobie Smulders), braço esquerdo de Fury e segunda em comando na S.H.I.E.L.D., estreando neste filme. Uma participação curta, mas importante, de Pepper Potts (Gwyneth Paltrow), importada dos filmes do Homem de Ferro. Outra participação curta, mas essencial para o início e o desfecho da trama: o Dr. Selvig (Stellan Skarsgård), importado do filme do Deus do Trovão. E o agente Phil Coulson (Clark Gregg).

Coulson foi o primeiro personagem de certa relevância criado pela Marvel exclusivamente para os filmes. Sua estreia foi no 1º Homem de Ferro. Era, então, um sujeito bonachão, que trabalhava para uma agência com um nome comprido, sem sigla, e pra quem ninguém dava muita bola. Vieram os outros filmes, com novas aparições de Coulson, sempre caracterizado como uma espécie de executivo da Superintendência Humana de Inteligência, Espionagem, Logística e Dissuasão, o cara que articula no campo e põe em prática os planos da S.H.I.E.L.D. Depois vieram os curtas nos extras dos DVD/Blu-ray de Thor e Capitão América: O Primeiro Vingador, onde descobrimos que havia algo a mais na figura —afinal, não era possível que alguém tão sem sal pudesse ser agente de Nick Fury. Tudo para culminar nesse filme d’Os Vingadores, onde o personagem de Clark Gregg dá literalmente tudo de si para realizar seu sonho (e de todos os fãs de quadrinhos): unir os maiores heróis da Terra, num dia como nenhum outro, contra uma mesma ameaça —para combater os inimigos que nenhum herói poderia derrotar sozinho. E é simples assim: com muita emoção, humildade e nobreza, Phil Coulson, o agente que coleciona cards do Capitão América e que se comporta como uma criança deslumbrada frente a seus ídolos, acaba sendo a pedra fundamental que transforma o punhado de heróis em uma equipe para salvar o mundo. Uma solução inesperada e elegante, que no fim faz todo o sentido. Foge da ingenuidade do primeiro gibi dos Vingadores (de 1963) e da truculência dos Supremos (2002). E que deve ser descoberta no cinema.

 

porque é duca

The Avengers é duca porque, mais do que uma adaptação brilhante de um gibi, é o ápice da criação do Universo Marvel em filme, um universo com vida própria. De fato, não há praticamente nada no filme que siga ipsis literis o que acontece nos quadrinhos. E mesmo assim, acredito que nenhum fã tenha algo para reclamar. Há elementos de algumas revistas isoladas, seja do universo regular, seja do universo Ultimate, mas esses elementos são descontruídos e amalgamados para gerar algo totalmente novo. Mesmo que deixando um gostinho familiar.

Há, por exemplo, o envolvimento de Loki (Tom Hiddleston, repetindo seu papel no filme Thor, mas de forma bem mais madura e vilanesca) e do Hulk no que poderia ser descrito como eventos que levam à criação da equipe, como na 1ª revista de 1963, embora de maneira completamente diversa e bem mais adulta (se é que cabe o adjetivo). Há a invasão alienígena e o confronto com a S.H.I.E.L.D., como nos Supremos. Mas, de novo, o desenvolvimento da trama é original.

As soluções inventadas no filme para a reunião da trupe de heróis, aliás, são especialmente excelentes, trazendo ecos da realidade (11 de setembro, crise da Coreia do Norte) e calcando tudo no aspecto mais humano dessas maravilhas: os sentimentos. Às vezes não tão nobres, como na caneta de Stan Lee, mas mais básicos e crus. O próprio nome da superequipe passa a fazer mais sentido, inclusive.

Nas palavras de Bryan Hitch, co-criador dos Supremos: Os Vingadores é um um filme incrível. Os Supremos é a série da HBO com orçamento ilimitado. E com isso, imagino que o que ele quis dizer é que Supremos não está preso às limitações financeiras, físicas e tecnológicas e pode, ainda, ignorar grandes nichos conservadores com sua violência, já que não tem a obrigação de faturar milhões de dólares para se pagar e dar lucro. Mas ambos são ótimos.

Nas palavras do @espinafrando, Os Vingadores é uma aventura fantástica, de arrepiar os pelos do braço. Um time de atores único, recheado de figurinhas carimbadas do Oscar. Muito senso de humor, muita ação, muita emoção. Design de produção incrível e efeitos especiais dos melhores (alô, aeroporta-aviões da S.H.I.E.L.D.). Diálogos perfeitos (poderia ser uma peça de teatro sem figurinos, só com a leitura do roteiro, e ainda seria bom). E reitera que um filme de super-heróis não precisa ser sombrio para ser legal ou fazer sucesso.

E antes que alguém me acuse de qualquer coisa, lembre-se que estou julgando o filme de acordo com seu nicho de mercado, seu gênero e sua proposta. Vingadores não é cinema de arte, drama cabeça, comédia ou ação desmiolada. É aventura-nerd-juvenil-arrasa-quarteirão. E, nesse universo, está bem próximo de atingir a perfeição. Para isso, faltaram apenas uma trilha orquestrada épica mais marcante, daquelas que você sai assobiando do cinema (defeito de todos os filmes dos heróis da Casa das Idéias, não importa se produzidos pela Sony, Fox, Universal ou pelo próprio Marvel Studios) e, acredite se quiser, a meia hora a mais no início, retirada do corte final de 3 horas e que deve estar presente nos extras em DVD/Blu-Ray, para ambientar melhor o Capitão no presente.

Assim como Brian M. Bendis havia feito nos gibis, a Marvel Studios conseguiu tornar Os Vingadores maiores do que X-men e Homem-Aranha nos cinemas. Não é pouco.

 

P.S.

No meio dos créditos há a famosa cena extra, que já dá uma dica do vilão e trama que podem pintar no próximo filme d’Os Vingadores. Com rosto e tudo! (não, não é um Skrull)

P.P.S.

Não perca a chance de assistir essa maravilha do entretenimento nos cinemas! Mas seja uma pessoa joinha, desligue o celular e cale a boca quando a sala escurecer. Ninguém precisa (e quer) escutar os seus comentários durante o filme.

P.P.P.S.

Sobre o 3D: está bem feitinho e traz bastante profundidade ao filme (além de brindar a plateia masculina com Scarlett Johansson em 3D! —mocinhas, não vale reclamar. Tem muito mais marmanjo por quadro de filme para vocês se deleitarem). Mas acredito que não seja essencial e que em 2D possa até ser melhor. Pelo menos, a fotografia deve ter mais brilho e as cores devem ser mais vivas.

 

16 comments

  1. Sensacional!!! Assisti no feriadão em 3D e realmente foi de arrepiar, não esperava algo marcante mais com certeza foi surpreendente, as palavras do espinafrando foram perfeitas, outra dica não compre pipoca!!! Não comi nem a metada vc não quer perder nenhum suspiro da linda Viúva Negra, com certeza comprarei este Bluray, isso se não for no cinema novamente. Dica duca. MEGABOGA!!!!!!!!

    • Taí uma compra certa em Blu-ray! E acho que vou tentar ver de novo no cinema, em 2D, pra tirar a cisma😉

  2. Para mim, o melhor do filme foi realmente como cada personagem tem seu devido destaque; e o mix de comédia, drama e ação também foi sensacional. Gostei da atenção que deram para o Hulk, não só pelas dificuldades que a personagem enfrentou com os filmes anteriores, mas de certa forma resgatando um pouco do seu papel de membro fundador.

    [SPOILERS]

    Ah, eu e meu pai pensamos que era um Skrull na cena final! Só percebi que não era na Trivia do SuperHeroStuff.com. Perguntaram sobre o Infinity Gauntlet e a imagem do Thanos me veio à cabeça – e a conexão se estabeleceu.

    [FIM DOS SPOILERS]

    Antes de as luzes da sala se apagarem para começar eu já estava falando sobre como estou ansiosa pelo blu-ray e pelos próximos filmes hahaha

    Minha única ambição em relação ao futuro era ver o envolvimento de outros Vingadores que gosto bastante – Vespa, Dr. Pym, Visão, Feiticeira Escarlate, Mercúrio, Cavaleiro Negro – , mas eu duvido que queiram/façam. De qualquer forma, fica a torcida. Pelo menos pra Vespa, né.

    • Olá, Luísa! Adorei teus comentários!

      Mercúrio e Feiticeira Escarlate é difícil. Acredite se quiser, os dois são hoje da Fox (que tem os direitos sobre os X-men), por serem filhos do Magneto (!)

      Vespa e Hank Pym são apostas seguras para o futuro.

      Eu gostaria de ver o Espadachim. É fuleiro, mas me lembra do desenho ‘desanimado’ de 66😉

      • Eu imaginei que, para envolverem Wanda e Pietro alguma relação com os X-Men seria necessária, e já pensava que seria difícil, mas não sabia dessa questão da Fox. É uma pena, são personagens interessantes.

        Sempre que penso na Vespa penso na Ashley Greene. Acho que seria considerável.

        Espadachim seria uma adição com um bom potencial comercial, talvez. Me esqueci do Pantera Negra também! Apesar de ele se casar com Ororo, não há exatamente uma conexão como com Feiticeira e Mercúrio, e falar de Wakanda e Vibranium não é exatamente assunto de um filme.

        [Preciso parar de entrar aqui porque falaria sobre os Vingadores para sempre se possível haha]

      • Você é sempre bem-vinda! Volte amanhã, pra falarmos de Anjos da Lei😉

  3. Renato a giria “boga” sozinha se refere ao c…. mas a giria MEGABOGA quer dizer muito f… e que nao sou muito adepto a palavroes por isso uso estas girias explicado?!!!!! abracos… outro filme MEGABOGA que logo estara nas telas e mercenarios2 huuuuuuu.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s