Mudinhas de Espinafre [31.08.12]

Mudinhas de Espinafre são pílulas pop, comentários (nem sempre) curtos e sem profundidade sobre coisas bacanas que você deveria ver, ouvir, ler. Ou não.

Filmes

O Grande Lebowski

Eu adoro o cinema dos irmãos Joel e Ethan Coen. Mesmo! Mas o fato é que nunca havia assistido O Grande Lebowski. Isso mesmo, podem tirar sarro, seus cinéfilos. Pronto? Pois bem. Corrigi a falha utilizando o Netflix (aproveite enquanto o serviço ainda existe ou enquanto o filme está em cartaz —acabei de descobrir nesse mesmo blog, o Filmes Netflix, que os filmes não ficam eternamente no catálogo. O Grande Lebowski fica só até amanhã O filme foi renovado por mais um ano, como informa o Filmes Netflix).

The Big Lebowski
Wow, Dude!

O Grande Lebowski é uma comédia de erros, avô de Pineapple Express (uma das melhores comédias dos anos 2000) e padrinho espiritual de Wes Anderson (Os Excêntricos Tenenbaums, A Vida Marinha com Steve Zissou). Faz rir pela estranheza, o que me faz taxar os irmãos Coen de David Lynch da comédia.

Veredicto: o desfile de personagens memoráveis é mais marcante que o filme em si. Mas é uma ótima matinê, dude!

Tiny Furniture

O longa-metragem que levou Lena Dunham à HBO. Filme indie com todos os defeitos esperados de uma estreante em longas, sendo o mais irritante deles a falta de uma conclusão. Não é que eu seja chegado em moral da história ou tenha algo contra finais em aberto, mas é que o fim é tão brusco que mais parece que acabou o filme na câmera.

Tiny Furniture

Tiny Furniture deve ser encarado como um grande ensaio para Girls, onde Lena tem mostrado verdadeiro talento a cada episódio —em roteiro, direção e atuação. Até porque dá pra sacar vários conceitos que ela reaproveitou/repaginou no seriado.

(também está disponível no Netflix)

Veredicto: apesar de tudo, é um filme simpático (se você tiver paciência).

Música

Alabama Shakes – Boys & Girls

Faz tempo que quero falar dessa banda por aqui, e finalmente chegou o momento.

(com a velocidade da informação na internet, você sabe que está realmente atrasado para comentar um disco quando até a Ilustrada já o fez faz tempo)

Descobri o Alabama Shakes via @lorenacalabria (aqui a crítica e entrevista) e @pablomyiazawa. É uma banda que soa vintage, mas é formada por gente na faixa dos 20 e poucos. A band leader Brittany Howard tem uma voz fantástica, que todo mundo insiste em comparar com Janis Joplin —eu acho que tem um toque de Aretha Franklin. Além disso, é uma bela compositora.

O som é um cruzamento de Commitments e Credence, puxando pro soul, mas com algumas faixas mais rockers.

Lançado em abril, é o segundo melhor disco de 2012 e você pode encontrar na iTunes Store BR por US$9,99.

Cover Art

Boys & Girls

Alabama Shakes

Alternativo

Lançamento: 2012

O faixa a faixa de Boys & Girls:

  • O disco abre com a baladinha de baixo marcante com refrão grudento Hold On.
  • I Found You é uma montanha-russa de soul, cheia de crescendos que desembocam em calmaria.
  • Hang Loose é a mais Credenceana de todas: feche os olhos e deixe a guitarra semi-acústica e o piano martelado te levar direto para 1969.
  • Rise to the Sun é conduzida por acordes longos de órgão e uma bateria suingada que arrebenta os pratos no refrão.
  • You Ain't Alone: calmaria bluesy, vocal rasgado e urgente.
  • Goin' to the Party não é festeira como o título pode levar a crer. Funciona mais como um interlúdio.
  • Em Heartbreaker, Brittany solta o vozeirão com tudo para cantar a dor do coração partido. E a banda acompanha mostrando um pouco de tudo do que é capaz.
  • A sequência é a música que dá título ao álbum. Balada tristonha, meio calmaria após a tempestade.
  • Be Mine: o destaque é o belo fraseado de guitarra que lembra a introdução de Yellow Ledbetter, presença constante no encerramento dos shows do Pearl Jam.
  • I Ain't the Same, soul alegre com clima de amadurecimento.
  • On Your Way começa em marcha lenta, esquentando os motores, quase sussurrando em seus ouvidos, para então pisar fundo no acelerador do rock. Perfeita para ouvir na estrada, deixando todos os problemas da cidade pra trás.
  • O álbum se encerra com Heavy Chevy, uma pedrada divertida estilo Little Richard.

Se você chegar ileso até o fim desse álbum, desista. Você não tem coração.

 

 

Vintage Trouble

Falando em rock e soul vintage em pleno 2012, temos aqui um outro grande exemplo de banda nova que bebe na fonte do passado. A dica é do @arijon, colaborador bissexto do espinafrando.com.

Vintage Trouble também é uma mistura de outras vertentes de rock e soul. Não poderia soar mais diferente do Alabama Shakes. Pra ficar nas comparações com bandas cinematográficas, o Vintage Trouble é um mix de Blues Brothers com Lenny Kravitz. Com tudo de bom e ruim implícito aí.

Infelizmente, o disco de estreia (The Bomb Shelter Sessions) não está disponível na iTunes Store brazuca, só na americana. Pelo que pude ouvir, tem a genial Blues Hand me Down e mais 2 boas faixas que se destacam: Total Strangers e You Better Believe It.

Aproveita e confere esses vídeos aí que o @arijon caçou no YouTube.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s