L.O.A.S. – The Afghan Whigs

2014 terminou e para muita gente não vai deixar saudade. Ano complicado, esse. Mas isso não significa que não teve —muita— coisa boa. E uma delas foi a volta do Afghan Whigs.

A BANDA

Um olhar mais alienado diria que The Afghan Whigs é mais uma das bandas que surgiram nos anos 90, em meio a explosão do grunge, perdeu-se no furacão por não ter chegado ao patamar de fama de outras como Pearl Jam e Soundgarden, e agora propõe um retorno caça-níquel para capitalizar sobre o saudosismo dos trintões.

Acima: The Afghan Whigs moleque; Abaixo: The Afghan Whigs decano

Ledo engano. Apesar de ter vindo no mesmo turbilhão que elevou o Nirvana como expoente máximo, os Whigs nunca se enquadraram na categoria grunge de seus outros colegas da Sub Pop (sim, todos estavam na mesma gravadora). Apesar de começar a carreira com muitas guitarras distorcidas —chegando a ser produzida pelo mítico Jack Endino, produtor de Nevermind—, a banda trilhou outros caminhos e outras sonoridades, sempre capitaneada pelo messiânico líder Greg Dulli. Poeta raivoso, com letras doloridas e desesperadas sobre relacionamentos e perdas, Dulli sempre teve um pé firme no soul, característica que foi permeando seu som a cada álbum, cada vez mais.

Mas eles nunca estouraram. E muito menos no Brasil. [Sendo bem sincero, este que vos escreve dificilmente encontrava algum fã deste grupo.] Mas quem os conhecia, cultuava-os.

Então, foi com certa surpresa que os Afghan Whigs aterrizaram em São Paulo para um show no dia 22 de maio do ano passado, no Audio Club.

O SHOW

Após um hiato de 16 anos sem material inédito (e pelo menos 13 anos com a banda separada), o grupo voltou reformado: além de Dulli no comando, o baixista John Culley é o único remanescente da formação original. Isso não significa que o restante não seja competente —pelo contrário, foram impecáveis. Também faz parte da banda o guitarrista Dave Rosser, que acompanhou a vinda de Dulli com Mark Lanegan para o Brasil em 2009, por conta do projeto The Gutter Twins.

Tanto tempo de espera para ver os Whigs ao vivo gerou expectativa, que foi prontamente atendida. Começando pontualmente o show às 23h, a banda de preto iniciou os trabalhos com as duas primeiras faixas do novo álbum, Do to the Beast (novamente pela Sub Pop): Parked Outside e Matamoros —esta, candidata a hit do disco.

O show em SP – crédito das fotos: Paola Morales Cárdenas

The Afghan Whigs é uma banda de peso e substância no palco. As guitarras ficam ainda mais proeminentes do que no estúdio. E a própria Matamoros ganhou uma versão mais acelerada e certeira.

O set list do show foi bastante equilibrado, passeando entre o último lançamento e o restante da discografia. Ficou clara a vontade de mostrar os novos rumos musicais. Óbvio que canções como Debonair e Gentlemen foram cantadas a plenos pulmões pela plateia.

Se a voz de Greg Dulli já começa a sentir o peso da idade, pelo menos ele não nega fogo. Suas apresentações sempre passam longe do piloto automático. Na ocasião, não conversou muito com a plateia, mas também não deixou a temperatura baixar.

E como não podia deixar de ser, Dulli sempre coloca alguma cover em seus shows —ele é um especialista em se apropriar das músicas dos outros. Sacou versões de Modern Love, de David Bowie, junto à sua John The Baptist, e finalizou o bis com Faded —a balada épica do álbum Black Love— fazendo um mash-up com People Get Ready, do Jeff Beck. Coisa fina.

O show em SP – crédito das fotos: @arijon

Falando em shows, vale o registro pessoal: o melhor show a que já assisti foi em janeiro de 2004, com os Twilight Singers, projeto paralelo de Dulli. Em estúdio, são mais soturnos e climáticos que os Whigs, mas a pegada roqueira permanece sob os holofotes (incluindo covers de Outkast, Zombies e The Darkness). O cantor estava totalmente à vontade com a plateia, conversando durante toda a apresentação, cigarro após cigarro. Tudo enérgico e contagiante. E a sensação que ficou foi que, mesmo se o mundo fosse acabar naquela noite, estava estampado no rosto daquele homem que ali era o lugar que ele queria estar.

OS DISCOS

Se ficou curioso para mergulhar no mundo dos Whigs, seguem três dicas essenciais:

Do to the Beast – Último disco, lançado em 2014. Um retorno à forma, sem jamais soar datado. É a evolução natural da banda, depois das experimentações paralelas de Greg Dulli com os projetos The Twilight Singers e The Gutter Twins. Todo seu caldeirão de referências está lá, num álbum que figura fácil nas listinhas de melhores do ano passado. Matamoros e Parked Outside já mostram a que veio.

Black Love – O favorito, ponto. O ápice da fusão rock+soul, sempre presente em maior ou menor grau em toda a discografia. Um disco redondo do início ao fim, com destaque para o carro chefe Honky’s Ladder, a acústica Step Into the Light, o swing irresistível de Blame, etc., além da balada Faded, que fecha o disco com louvor.

Gentlemen – O disco mais famoso —inclusive recebendo uma edição comemorativa em 2014 por conta dos 21 anos de seu lançamento—, lançou os Whigs em alta rotação. Primeira obra por uma grande gravadora, a Elektra. Os hinos mais conhecidos estão aqui: Gentlemen, Debonair, Fountain & Fairfax. E uma curiosidade: a letra da faixa My Curse era tão dolorida para Dulli, que ele preferiu que Marcy Mays cantasse em seu lugar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s